Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quem sai aos seus

Um blogue para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

Vamos tomar o pequeno-almoço à Tiffany?

Francamente, não sei como é isto não abriu o Telejornal, mas a partir desta sexta-feira vai ser possível fazer um BREAKFAST AT TIFFANY'S. A própria da Tiffany vai abrir um café/restaurante no quarto andar da loja da Quinta Avenida, chama-se The Blue Box Café e... respiremos fundo... a decoração é turquesa-cor-da-caixa-dos-presentes.

110217_Tiffany_Advertising_133

Tiffany & Co

A Vanity Fair tem um artigo elucidativo sobre este novo lugar que só é pena não ter nascido quando série "Sexo em Nova Iorque" ainda era qualquer coisa. Diz, então, que é obra do novo diretor artístico da marca, Reed Krakoff, ex-Coach, um fã de peles e arquitetura com um fraquinho pelo modernismo. Os detalhes do CV fiquei a saber via New York Times, numa prosa de janeiro que dá a notícia da contratação e, de caminho, lança a dúvida: é ele o homem certo para recuperar a Tiffany? Malas de couro é uma coisa, joias é outra, opina alguém. E entrar na restauração? Parece que a resposta está dada, mas vamos ver quantos maluquinhos, como eu, acham que é de génio este passar de fornecedor de casas reais europeias para os anéis de noivado, para ser literatura, filmemúsica e, agora, hot spot em potência. O autor diz que é "experimental e experencial - uma janela para a nova Tiffany. Ou seja, luxo e elegância servidos com vista para o Central Park, café e croissant, como gostaria Holly Golightly, e ainda torrada de abacate, ovos trufados ou bagel de salmão para aqueles que exigem um pouco mais de uma refeição de 29 dólares, que, ainda por cima, está confirmado (e é de chorar!), não inclui vestido Givenchy nem pérolas. Uma pena.

 

Pára tudo, esqueci-me do mais importante

A Madalena odeia areia da praia.


 


Ares do mar e andar ao colo pelo areal ainda vá, agora pousar o chispe na areia é que nem pensar.


Tentativa número 1: há umas duas semanas, sua excelência experimentou os encantos ao colo de sua avó, mas gritou e esperneou como uma condenada quando a tentaram pôr na areia. Claro que como sou muito boa (ironia!) pensei logo que isto era fita da raínha do Sabá para manipular a avó. Mas parece que me enganei.


Tentativa número 2: no sábado, voltámos à praia ao fim da tarde. Pois, foi quase necessário um perímetro de segurança para conter a ira desta miúda quando ensaiávamos o gesto de pôr na areia. É que não gosta mesmo.


Digam-me, mães experientes, isto passa-lhes?


 

Mini no parque

A Mini e eu temos um novo passatempo: descobrir os jardins de Lisboa. Gostamos do das Amoreiras, já provámos o da Estrela - mas tem demasiada passarada para o meu gosto - e ontem fomos à Tapada das Necessidades.

Para começo de conversa, confesso que não sabia que existiam tantos espaços verdes em Lisboa. E que muito deles têm mais do que uma relva ou espécies interessantes para ver. O da Tapada das Necessidades, por exemplo, tem uma estufa circular, mandada construir no século XIX por D. Pedro V. Descobri esta e outras coisas na net e graças a este artigo do Lifecooler fiquei convencida que estava tudo arranjadinho e saí de casa a imaginar que a Mini e eu íamos passar um tarde bucólica, passear por jardins verdejantes e sentar na relva. Até levei uma mantinha e tudo. Pura ilusão!

Mal se pode andar com o carrinho tal é o nível de degradação da maioria dos caminhos,
a famosa estufa está fechada e não há uma placa, uma indicação e até me parece que construíram uma espécie de bancadas de cimento lá dentro. Há vidros partidos por todo o lado, estátuas sem cabeça, uma piscina deixada ao abandono... é de cortar o coração. A única zona bem tratada é um relvado junto à escola, mas da qual não pudemos usufruir porque não havia sombra.

De resto, não me cruzei com vivalma que estivesse a desfrutar do sítio. Só não percebo se ninguém vai à Tapada das Necessidades porque aquilo ainda está degradado ou se é por ninguém lá ir que não arranjam. Eu, pela minha parte, só posso dizer que se não fossem os miúdos da escola, o passeio tinha ficado sem história.

Até eles devem achar interessante ver pessoas diferentes, porque mal passei junto à rede da escola ouvi um "Senhora! Senhora! Mostre-nos o bebé" (vou tentar ignorar que achem que eu sou uma senhora). Eram três e foram-se juntando mais e mais pelo que quando virei a Madalena para eles ouvi um coro de "Ahhhhhhhhhhhhhhhh!" tão forte que até a Mini acordou. Muito cómicos.


Despistes (espero que aconteçam a todas)

Um dos meus maiores pânicos antes da Mini nascer era não dar conta do recado e esquecer-me de coisas essenciais e óbvias. So far so good. Não têm existido despistes graves, mas lendo a Mil Sorrisos (e as suas aventuras) lembrei-me do dia em que decidi ir a Cascais com a baby e levar leite no biberão.

Temendo, aliás, estar fora de casa muito tempo até levei dois. Um da minha caixinha mágica (do congelado), o outro acabadinho de tirar. Era a primeira vez que saía assim e era "a melhor condutora do mundo", capaz de driblar qualquer situação. À hora prevista, a Mini deu sinal e eu toda pimpona até me sentei num restaurante para lhe dar de comer. Aquilo ia correr mesmo bem.

Tirei o arsenal todo da mochila e achei estranho que o saquinho dos biberões estivesse molhado, mas não caí em mim. Até que tirei para fora aquele que tinha o leite mais recente e, tcharã, só restavam uns 20 mm, manifestamente pouco para as necessidades. E a tudo isto, a Madalena chorava cada vez e cada vez mais alto.

Mas eu continuava confiante. Tinha outro biberão preparado, não é? Pois não. Ela estava tão desatinada que rejeitou completamente o leite e eu não tive outro remédio senão ir para o carro e amamentar como sempre. Ela ficou tranquila e eu, confesso, também.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D