Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quem sai aos seus

Um blogue para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

O trabalho de uma mulher vale menos 33% do que o de um homem. O machismo continua

Sem desconfinamento à vista e dois períodos letivos pela frente, o Governo percebeu, finalmente, que teria de rever as regras de apoio aos pais. Custou, mas foi.

Obrigada à CGTP, UGT e partidos que se bateram por isto. Por fim, as pessoas em teletrabalho têm uma alternativa a enlouquecer desde que estejam sozinhos a criar os filhos, tenham crianças até ao 1.º ciclo ou "o agregado familiar integre, pelo menos, um dependente com deficiência, com incapacidade comprovada igual ou superior a 60 %, independentemente da idade". Achei melhor citar o comunicado do Conselho de Ministros de quinta-feira para não me enervar ainda mais com isto. 

Até agora uma pessoa a cuidar de outra com deficiência não tinha um apoio que fosse, e o assunto não mereceu grande debate no espaço público. Quero citar a minha filha de 13 anos a citar outras pessoas: "A deficiência é o último grau da invisibilidade".

Há uma medida adicional neste pacote: 100% do salário pago se a assistência à família for alternada entre pai e mãe.

É um raciocínio difícil, mas gostava de tentar explicar por que razão esta medida é mais uma facada na igualdade em vez de a promover, fazendo o trabalho de uma mulher valer menos 33% do que o de um homem. 

Como descobriram que no primeiro confinamento mais de 80% das pessoas que ficaram com os filhos foram mulheres, desta vez, "para promover o equilíbrio na prestação de assistência à família", pai e mãe recebem a 100% se alternarem semanalmente o apoio à família.

Excluindo as pessoas com deficiência, este apoio alcança pais de crianças até 10, 11 anos. Estamos a falar de uma geração que já usufruiu de licenças de parentalidade mais bem pagas quando repartidas entre pai e mãe, o que parece ter servido de pouco. Pela segunda vez, no espaço de uma década, estes homens estão a ser pagos para partilharem tarefas domésticas e de educação com as mulheres. A primeira pode ser um incentivo, a segunda é um suborno. E é inaceitável (por mais que algumas mulheres saiam beneficiadas com esta medida).

Uma coisa é desenhar políticas de igualdade quando podemos preparar as coisas nos nove meses de uma gravidez e no que se supõe ser decisão para a vida - ter um filho. Outra coisa é, neste cenário de curta duração, tomar decisões pelas famílias e imaginar paraísos idílicos de igualdade porque se paga 100% do salário ao pai e à mãe. Se mais de 80% de mulheres ficaram a cuidar dos filhos há um ano não é porque elas tenham um amor desmesurado pelos filhos ou desapego brutal pelo trabalho. É porque isso era mais conveniente, porque elas  têm um salário mais baixo que impacta menos no rendimento total da família e/ou porque continuam a ser melhores gestores dessa empresa que é o agregado familiar. Isto apesar do pai já ter recebido uma vez para ficar com os filhos. 

Sabemos que a aprendizagem do cuidar dos filhos melhora a igualdade das famílias e é justo lutarmos por ela. É justo reinvindicar que os pais lavem, limpem, arrumem e cozinhem para a família tanto quanto as mulheres, mas, por se tratar de um período curto, é normal que muitas famílias escolham, apesar do dinheiro, que só uma das pessoas fique em casa, na medida em que estar ausente prejudica o trabalho e, nesse sentido, mais vale que apenas um saia a perder. Essa pessoa, segundo esses mais de 80% que pediram apoio há um ano, são mulheres, portanto se o apoio a 100% está disponível que sejam elas a usufruir dele, pois, como está à vista, também foram elas a fazê-lo até aqui. Ou, porque não, experimentarmos pagar mais 33% às mulheres para continuarem a trabalhar?

Era bom errar, mas quando voltarmos a fazer as contas, mesmo com este suborno à igualdade express, mais mulheres do que homens terão pedido apoio excecional à família, mas terão recebido apenas 66% do salário, que é, pelos vistos, o valor que o Ministério do Trabalho, Segurança Social e Solidariedade acha que vale o trabalho das mulheres. Uma boa parte daquelas que agora vão alternar ficará com mais dinheiro na carteira (sempre agradável, não vou dizer que não), mas com o mesmo trabalho de sempre: fora de casa e nas tarefas domésticas. Ou acham que não vai ser assim?

"Os rapazes protegem as raparigas"

Assim, logo de manhã, entre um gole de leite e uma dentada na torrada, a Madalena e a Teresa concordaram que os rapazes têm mais força e que "protegem as raparigas". Já nem me lembro bem como surgiu esta conversa, mas, uma coisa sei, estava a ser perfeitamente normal até este ponto. Em que a Madalena disse que os rapazes protegem as raparigas e a irmã concordou.

Se nós vivessemos no meio da selva, se fossemos vizinhos da família de "Capitão Fantástico", um argumento destes podia eventualmente colher alguma simpatia no coração desta pobre e velha mãe. Mas no mundo em que vivemos... Tenho a dizer que não só não espero como tenho quase a certeza que a maioria dos rapazes tem tanto medo de ratos como as minhas filhas. Portanto, essa do protegerem as raparigas... é que, sinceramente... Anda esta-aqui a esforçar-se, a dar lições de igualdade de género e vai-se a ver e é isto: "os rapazes protegem as raparigas". Pffff...

alex-katz-three-women-on-pink.jpg

 Alex Katz, Three Women in Pink

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D