Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quem sai aos seus

Um blogue para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

Rumo aos 42. Dias 4, 5, 6 e 7. PhotoEspaña

Dos muitos trabalhos que faço ao longo do ano, nenhum é mais importante do que a PhotoEspaña. Creio que a maioria não quer saber, o que não me pode demover do plano de noticiar o que se passa no festival, pois não é apenas um trabalho jornalístico que é publicado. É um trabalho de fundo que enriquece tudo o que faço nos restantes 360 e tal dias que se seguem. Quanto mais conheço, mais bem posso informar as pessoas. Isto, sentido comum entre jornalistas, é talvez novidade para quem nunca pisou uma redação.

Uma das missões do festival é educar o olhar, como diz a diretora. Claude Bussac dizia ao DN por estes dias, que o festival tinha mudado muito nos seus 20 anos. Se recuarmos a 1998, nós, os adultos, ainda nos lembramos: internet pouca e fotografias só quando alguém levava a câmara. Inúmeros jantares de turma, encontros incríveis e outros acontecimentos parecem não ter existido, porque simplesmente não havia fotografia. Em casa dos meus pais, sem ir mais longe, o meu pai tirava centenas de fotos nas férias – temos uma boa coleção, mas no resto do ano havia pouco esse hábito. E a minha mãe nunca se interessou pelo assunto.

Era preciso (ainda) levar os rolos à loja de fotografia e revelá-los. Que revolução que foi quando passou a demorar apenas um dia ou umas horas! Quando voltamos do Disney World havia seis rolos e na loja, em Mafra, antes de nós vermos as fotografias a senhora disse: “tem aí fotos muito bonitas”. Foi em 1991, mas era quase igual em 1998. Ainda.

Foi tudo bastante rápido, portanto. Dez anos e estávamos no digital. 2008. Já todos os fotógrafos dos jornais usavam máquinas digitais. Os nossos telefones já tinham câmaras, as redes sociais tornaram-se coisa do quotidiano. Eu inscrevi-me no Facebook durante a licença de maternidade. Era a janela para o mundo das pessoas que conhecia. Ainda é.

Claude Bussac explica que “hoje o nosso desafio é o papel do fotógrafo como autor”. Percebo-a. Se todos tiramos fotos e isso é bom, nem todos somos Alberto Korda ou Robert Capa. Faz uma boa comparação. Todos sabemos escrever, nem todos somos Nobel.

Treinar os olhos para as imagens como fazemos com a leitura, até ao ponto em que, sem esforço, somos capazes de distinguir o bom do mau texto, está a tornar-se, parece evidente, numa necessidade total nesta era de instagram, informação servida num ecrã, e, mais importante que tudo, porque todos a podemos fazer. Talvez daqui a muitos anos a gente olhe para trás e perceba que os telemóveis fizeram pela imagem o que o lápis fez pelo desenho e pela escrita – uma revolução.

Isto aconteceu o ano passado e voltou a passar-se este ano: estar em contacto com milhares de imagens boas faz com que depois, no espaço de horas, estando já na minha vida 'normal' seja muito mais exigente com o que está à minha volta. E isso é ótimo para o trabalho que se segue.

Prue Stent e Honey Long.jpeg

|Crédito: Prue Stent & Honey Long, no Centro Cultural Fernán Gómez|

Atrás das teclas

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D