Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quem sai aos seus

Um blogue para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

Acordar e o meu país ser campeão europeu de futebol. Nunca acreditei

ng7274231.jpg

Foto com tudo lá de Gerardo Santos para a Global Imagens

 

Era, afinal, premonitória a escolha de "Tudo o que eu te dou", de Pedro Abrunhosa, para hino da seleção. A canção passou ao lado do Euro 2016, mas contém, no original, o verso que conta: "um homem também chora quando assim tem de ser". Chorar quando é preciso é a melhor qualidade de Cristiano Ronaldo. Ele é um bebé chorão. Chora de frustração quando perde o Euro 2004, chora de emoção quando ganha a Bola de Ouro, chora quando passa à final, chora quando se magoa, chora de alegria quando ganha e é tão transparente o que está a sentir que só podemos sentir com ele. Ontem, aquele momento em que ele cai, desamparado mas consciente, gelou o coração. E aquelas lágrimas enquanto passava a braçadeira de capitão foram completamente claras: se havia alguém que merecia jogar aquele jogo todos sabemos quem era.

Um colega, o Pedro, escreveu algo incrível no seu facebook durante o jogo: que assim a vitória tinha tudo para ser ainda mais épica. E foi. É assim. Com os portugueses é assim. Tinha de ser tudo sofrido, espremido até à última gota de suor. E foi mesmo épico. Aquele golaço do Éder, o nosso patinho feio, foi tão extraordinário que se Fernando Santos já não fosse um homem de fé, ter-se-ia convertido naquele momento.

Uns bons 10 segundos antes, o António, cá em casa, diz: "foi golo". Estava a ouvir o que se passava na rua. Era mesmo: um ruído avalassalador. Levantámo-nos e esperámos (deu para isto tudo, imagine-se). E vimos aquele míssil do Éder, que quase o desconjuntava todo, confirmando que os gritos eram mesmo dos nossos. Só nessa altura comecei a acreditar que talvez fosse possível.

Nunca pensei ser possível um dia acordar e o meu país ser campeão europeu.

Em 1998, estudante de Erasmus em Lyon, fui com duas colegas espanholas ver o ambiente à saída do estádio Guerlain depois de um jogo. Queria ver as pessoas entusiasmadas com o futebol ao vivo, não apenas na TV. E lembro-me de dizer "nunca estaremos aqui e nunca organizaremos um grande campeonato, por isso deixa-me ver como é". Fico contente por ter falhado todas as previsões. Fizémos o Euro 2004 e hoje seguramos o caneco. Caramba!

Sinto-me feliz com o resultado mesmo que digam que os nossos jogos não foram bons. A História há de fazer-nos justiça. Talvez não tenha sido lindo, mas foi eficaz (o treinador soube ler as partidas e fazer as mudanças). Talvez tenham faltado golos, mas há três belíssimos (calcanhar de Ronaldo, o de Renato Sanches e o do Éder). Talvez tenhamos tido sorte, mas ninguém nos ganhou. Talvez seja injusto, mas nós também nos lembramos de 2004 e de umas meias finais a pénaltis com a Espanha. Mesmo para quem não entende de futebol, a estatística não engana. Há anos que esta seleção andava atrás deste resultado. E acreditou. E dos 23 convocados Fernando Santos pôde usar quase todos. Era sempre possível fazer um bom 11 quando alguém falhava. É bom também lembrar as coisas práticas (e técnicas) quando começamos a ficar dominados pelo misticismo.

E, finalmente, o que me orgulha mesmo é que nunca desistiram. Não desistiram quando viram Ronaldo no chão, quando o viram sair, quando perceberam que tinham o árbitro contra eles, quando tiveram de ir a prolongamento. E CR também não desistiu. Como alguém disse ontem: foi o melhor em campo tendo estado fora.

 

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D