Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quem sai aos seus

Um blogue para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

A pessoa quer defender o jornalismo mas nem sempre consegue

Maio de 2000, chego a Barcelona. Uma das notícias do momento tinha que ver com o caso Rocío Wanninkhof, uma rapariga de 19 anos que tinha sido encontrada morta. As minhas memórias são turvas. Acreditava que o corpo tinha sido descoberto por esta altura, mas era da detenção da alegada assassina, a ex-namorada da mãe, que se falava. Também tinha uma vaga ideia de que tinha existido uma reviravolta no caso e que, afinal, tinha sido um homem a matá-la. 

Juntei os pontos por estes dias com o documentário "O Caso Wanninkhof-Carabantes". Não só Rocío Wanninkhof não foi morta por Dolores Vázquez, como isso aconteceu em parte porque eram os anos 2000 e "uhhhhh, lésbicas", como o verdadeiro assassino acabou por repetir o delito, matando Sonia Carabantes, 17 anos. "Se tivessem investigado mais e não se tivessemcentrado apenas numa pessoa, tê-lo-iam encontrado. Então, o que aconteceu à minha filha poderia ter sido evitado", diz a mãe da segunda vítima.

Dolores Vázquez, a mulher erradamente acusada, não recebeu uma indemnização nem tão-pouco um pedido de desculpas das autoridades. 

Passei parte do documentário entre a incredulidade e a vergonha em relação ao comportamento da polícia e aos jornalistas. Muito simplificadamente: os mortos não falam, os acusados não falam e apenas a polícia diz coisas, veiculando opiniões e preconceitos como factos. Os jornalistas, cheios de opinião e preconceito, noticiam. Fica na nuvem quem terá a responsabilidade de que as coisas sejam assim. 

A ver se me explico: Dolores Vázquez foi considerada suspeita por ser uma pessoa próxima da família de Rocío Wanninkhof, mas é o facto de ser lésbica que atrai. Beatriz Gimeno, ativista dos direitos LGBT escreveu um livro sobre o assunto: Foi a lesbofobia que condenou esta mulher em primeiro lugar. Apesar das provas e até do sólido alibi que apresentou para a noite do crime, considerou-se que o seu aspeto masculino e até factos como praticar karaté provavam a sua culpabilidade.

Não sei exatamente como funciona uma investigação policial, mas do que vou lendo e percebendo, perante as evidências formam-se hipóteses que dão origem a linhas de investigação. Podem ser muitas linhas de investigação como acontece no caso da Maddie -- Foram os pais? Foi intencional ou Foi um acidente? Foi um rapto? Circunstancial ou planeado? -- e como não se podem investigar todas as mesmo tempo fazem-se opções. No caso dos McCann, investigá-los a eles. No caso Wanninkhof, a madrasta. 

Em casos como estes -- raros, misteriosos, interessantes, que apelam às nossas emoções -- os jornalistas estão sempre em cima. Acompanham ao máximo tudo o que vai acontecendo. O mais mínimo detalhe é notícia. E isso não tem mal, é o que se espera. É o que espero dos meios de comunicação. Mas da mesma maneira que a polícia formula teorias baseadas em preconceitos, os jornalistas escrevem a partir desses mesmos preconceitos. E uma vez que todos estão a dizer o mesmo, uma incorreção, uma meia verdade ou algo que é apenas uma hipótese converte-se numa certeza. Nem é uma verdade. É um facto.

Do lado do jornalismo, há momentos em que não é possível fazer muito. Se a polícia prende uma mulher como suspeita do crime essa é a notícia. Quando entramos no quem é a pessoa, entramos na teoria da polícia. Neste caso, sustentavam que a ex-namorada da mãe, vê em Rocío (com quem se dá mal) um entrave à reconciliação. Parte dessas informações são confirmadas pelos próprios intervenientes. De tudo o que vejo no documentário, a própria mãe de Rocío valida a teoria ao, pelo menos, considerar possível a situação. 

Essa narrativa é publicada, debatida, replicada, dissecada e, com isso, dá força à teoria da polícia. Valida-a. É dada como certa, e o Ministério Público apresenta essa teoria para alavancar a acusação da mulher, ainda que as provas sejam circunstanciais. A comunicação social continua a relatar os factos que emanam destas investigações. E se alguém questionou estas ideias teve muito menos destaque e palco do que o contrário. Os nossos preconceitos continuam a funcionar.

Em julgamento, o ênfase é posto nessas mesmas provas circunstanciais e um júri popular condena Dolores Vázquez a 15 de prisão. Ela parece masculina, ela parece ter ódio por Rocío... As provas são circunstanciais. Os jornalistas relatam-no tal qual. Ou partem para o julgamento já com a suas certezas. O ADN masculino detetado numa beata que é encontrada no local do crime não é suficiente para criar alguma dúvida, as marcas de pneus que não coincidem não bastam, o alibi naõ chega. É preciso condenar. Os jornalistas noticiam o decorrer dos trabalhos, mas não há dúvidas. As instituições vão confiando umas nas outras, confiando que foi feito tudo como devia, alheias aos seus preconceitos e, por que não dizê-lo, sem grande reflexão. 

A polícia podia fazer um trabalho melhor? Podia. E o Ministério Público podia ver menos novelas e ater-se mais aos factos? Sim. Mas a partir de certo nível, o jornalismo também tem de parar e direcionar os seus recursos para estar do lado das liberdades e garantias dos cidadãos comuns. O interesse por um caso, a sua mediatização (que acaba por não ser mais do que o tempo que a 'história' ocupa no nosso espaço (jornais) e tempo (rádios e televisões) não pode bitola de culpabilidade das pessoas. 

Claro que era mais picante ter a solução para o crime e que essa solução esteja numa história de amor que corre mal, mas é preciso mais. Espero lembrar-me disto da próxima vez.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D