Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quem sai aos seus

Um blogue para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

Mais 20 quilómetros

Em jeito de celebração, visto terem sido os primeiros 20 km que corri na vida, no domingo mascarei-me de Paula Radcliffe* e fui fazer outra vez a prova de Cascais.

12650887_10207968513186216_5562449195943859739_n.j

Com exceção da patinha esquerda a doer cumocaraças e dos dedos dormentes, tudo cinco estrelas. Incluindo o tempo: 02:00:04 no tempo do cronómetro, 01:58:38 no chip. Dei-me ao trabalho de ir ver e são "só" menos 12 minutos do que há um ano. Menos 12 MINUTOS. Adoro. Como há um ano, tomei um benuron, fui trabalhar e já só penso na meia maratona de Lisboa: 20 de março de 2016. Isto realmente já é uma doença. Sofro, odeio aquilo do princípio ao fim e depois quero repetir tudo outra vez.

 

 

 

Não desapareci, descobri a Iris Apfel

Estou a ocupar todos os meus segundos livres a ver o documentário da vida de Iris Apfel, uma personagem da moda de Nova Iorque, que sempre achei que estava sobrevalorizada pela simples razão de que não sabia nada.

Iris é excêntrica, sim, mas é mais do que isso. Ela é a verdadeira trendsetter e não é um dondoca da primeira fila dos desfiles da semana da moda de Nova Iorque como eu imaginava. Além de ter estudado História da Arte e ter feito uma carreira como designer de interiores, fundou uma empresa com o marido, Carl, Old World Weavers, dedicada a criar tecidos. Juntos, criaram padrões que ainda hoje nos são familiares e trabalharam na remodelação da Casa Branca, com vários presidentes. Diz que com Jackie Kennedy a coisa não correu lá muito bem...

Ora, criar tecidos é, talvez, das maiores artes do mundo. Uma dessas coisas incríveis a que se liga menos do que se devia mas que explica muito da maneira como nos vestimos hoje. Não acontece por acaso que as coisas sejam como são. Alguém deu-se ao trabalho de estudar a qualidade de um tecido e tirar dele a melhor forma que ele pode ter, da maneira mais bonita possível. A isso eles chamam design e nós, comuns mortais, moda. Tenho cá uma admiração por estas pessoas...

O estilo de Iris Apfel não me diz muito. A mim parece-me uma americana meia louca, mas há um momento em que ela mostra um casaco Ungaro com umas calças de outro costureiro qualquer (e ela não tem medo da palavra costureiro) e o que ali está naquele documentário de 2014 é a maior das tendências dos tempos que correm: Misturar padrões e combinar texturas. Ali, no guardarroupa de uma senhora de 90 anos.

Então, temos uma filha com oito anos

Ainda consigo sentir a sensação de a ter nos braços pela primeira vez e já está mais perto da década do que daquele bebé suave. Já sabe ler, já sabe escrever qualquer coisa, já sabe do que gosta e quando não gosta, diz coisas como "que seeeeeeca!". Não é a única. As amigas também. Sei disso porque me pediu para trazer cinco delas para jantar no sábado à noite. Eram oito miúdas à mesa (elas e as nossas), o que pode ser muito "Sexo e a Cidade" mesmo aos oito anos.

Foi a Madalena que pôs a mesa. Quando lhe peço para fazer alguma coisa, é preciso dizer 50 vezes antes que se mexa, mas no sábado, com o objetivo de receber as amigas, às 14.00 já me estava a perguntar quando podíamos pôr a mesa. Quando voltei de correr, já tinha posto a toalha e o prato marcador e o prato em cada sítio. Os garfos não eram os que a mãe tinha planeado mas estavam certinhos e direitinhos. A pobre e velha mãe ia tendo um chilique. O meu bebé a quem tenho de pagar um euro para arrumar o quarto, pôs a mesa SOZINHA.

Domingo de manhã, juntou a família e os amigos. Subiu árvores, correu, brincou. Soprou o 8 "faísca" e esteve com os melhores amigos. A vida é boa quando se é pequenino, especialmente quando já nem se é assim tão pequenino.

IMG_3040.JPG

 

 

Pág. 2/2

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D