Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quem sai aos seus

Um blogue para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

Sudoeste, agora com fotos

São 8.00 da manhã e estou acordada. Não seria mau, não se desse o caso de estar, pela primeira vez em 10 meses, sozinha com o vosso pai. Hoje que podia dormir até ao meio dia, estou para aqui feita parva a teclar do meio do Alentejo, depois de uma noitada no sudoeste.
Espero que quando vocês e as vossas amigas B sejam grandes ainda seja fixe ir a festivais e que possam fazer coisas espectaculares como apanhar um autocarro às 19.00 e atravessar uma herdade por caminhos de tractores, com a música do momento aos berros.


Guardem uma cervejinha para beber quando chegarem ao Sacas. Se há momento que vale um brinde é este pôr do sol.
C (Nota da mãe: um brinde não é uma carraspana).

Depois é respirar fundo e seguir até à Casa Branca e esperar pela curva certa para ver todo o aparato do SW montado. É uma dessas visões que vem acompanhada de um "aaaaaaaahhhhhhh". "É tudo do zero", disse o Luís Montez. Estava de costas para ele e não percebi exactamente o tom das palavras mas foi qualquer coisa entre o emocionado e o orgulhoso. Podiam ser as duas. Era perfeitamente compreensível. É uma cidade.

Trocámos os expensive soul pelo jantar. Apesar de termos perdido um concerto do demo (lol) e o maior elogio de todos ("vocês são um público do c******"), valeu a pena. Foi dos melhores sítios onde comi este ano. Só de pensar naquele pão alentejano morno e naqueles lombinhos com coentros...

Voltámos para ouvir aquele senhor que é jurado do The Voice. Pessoalmente, teria trocado de bom grado por uma sessão de DJing do Calvin Harris, com passagem pela tenda moche para ouvir Mind da Gap e o Branko dos Buraka mas gostei bastante. Além disso, um festival nunca é só a música.

À saída aproveitei para prestar atenção àquele zero por cento de glamour dos bastidores com montes de tendas, contentores, carros a entrarem e a sair e andaimes.

O Cee Lo Green ainda não tinha acabado de tocar e já alguns dos seus músicos estavam numa carrinha renault à espera para ir embora. Não sei se estavam à espera do senhor. Prefiro pensar que foi embora na limusine que estava estacionada cá fora. Ouvi na comercial que o senhor foi de carro dos camarins para o palco. Só há uma maneira de classificar tal coisa: badocha malucos. Na rádio, falavam em 100 metros de distância mas diria que são uns escassos 50 e o meu gajo diz que são 30. Chamavam-lhe o típico americano. Típica batata de sofá é o que é!

Os artistas e as suas manias são adoráveis. Disseram-me que o Snoop Lion pediu uma camisola do Sporting (coitado!) e Interrogo-me sempre onde dormem ( se ão tão esquisitos com umas coisas...). Com o devido respeito à zambujeira do mar, não estou a ver a música no coração a hospedar na residencial Rita. Sei que, há muitos anos, os massive attack ficaram em Sines mas há quem peça o Ritz. Foi o caso do Calvin Harris. Está uma estrela completa. Embora não tão grande como nós.
E, pronto, é isto.

Que é como quem diz, para o ano (se tudo correr bem).

Aí, a vida no campo

Tirando ser preciso pegar no carro para ir levantar dinheiro, não haver pão fresco do outro lado da estrada como tinha sonhado e hoje terem feito uma mega-operação Stop, que incluiu multa a um autocarro da carreira, coisa que nunca tinha visto na minha vida, está tudo ok. A praia é boa, não está muito cheia e a barraca faz sombra. Tudo sobre rodas (mesmo com birras).

Ah, bom, então e essa coisa de ser "a do meio"

Queria, em primeiro lugar, dizer que não é aceitável nos dias que correm que um filho do meio se sinta sem lugar ou que ache que recebe menos atenção do que os irmãos. Ser o "o do meio", ser a Teresa, no nosso caso, é mesmo muito especial e este post sou eu, aos 37 anos, a mandar recado à minha filha que já sabe ler e à minha filha adolescente. Mesmo que quisesse ignorar-te, que não quero (como é óbvio), há sempre alguém a lembrar-nos. "é preciso muita atenção à do meio". E por quem é que fui ao Google fazer uma pesquisa "being the middle child" [ser o filho do meio]. Há teorias a rodo sobre o assunto, diga-se de passagem. Um psicólogo austríaco descreveu a coisa e até lhe deu nome: síndrome do filho do meio. Analisa mais do que o ser o número 2, foca-se no que é ser o número 1 ou o número 3. Vários estudos concluem coisas como os primeiros são aqueles que nos fazem ter maiores expetativas, os segundos sentem-se em terra de ninguém, os terceiros infantis. Para animar pais stressados dizem ainda que a percentagem de filhos bem sucedidos é mais elevada nos do meio (o que eles entendem por ser bem sucedido é que não estava escrito). A mim parece-me que isto é tudo um tanto ou quanto óbvio. Mas se por acaso, Teresinha, vieres a sentir que não tens nada de especial, deixa-me dizer-te que isso não é verdade. Olha à tua volta e conta: quantos filhos do meio encontras? Poucos, não é? Pois é. Especiais. E raros! Última nota, Teresinha, tu és única e especial por ti, pela maneira como és. Por seres a Teresinha.

 

 

 

Pág. 4/4

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D