Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quem sai aos seus

Um blogue para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

Jornalistas não, por favor

Ando para escrever sobre este post da Sandra Mil Sorrisos há uma série de dias. Perante o desagrado da Sandra pelo amor da filha por "ensinar" e porque eu própria não quero que as minhas filhas venham a ser jornalistas, a minha pergunta inicial era: porquê que os pais não querem que os filhos sigam os seus passos?. Porquê, quando ainda por cima isso é o mais natural, visto ser o que eles vêem fazer?

Depois tive um choque frontal com este vídeo, através do Facebook:

 

 

 

(O vocalista da banda brasileira Los Hermanos 'desanca' um jornalista que lhe pergunta sobre o grande êxito do grupo, Anna Julia, dizendo que o jornalista não vai a concertos, não lê o que se escreve)

 

E percebi a razão. Até a mim me percebi, acho eu.

Não é que os pais não queiram que os filhos não sigam os seus trabalhos. São os professores e os jornalistas é que não querem, porque ser professor ou jornalista é mesmo muito mal visto.

 

Eu nem quero saber se o vocalista de Los Hermanos tem razão. Até pode ter, e o jornalista não estar devidamente preparado. Ou até pode não ter, porque lhe perguntam se fica irritado e ele fica mesmo. Não interessa. Porque o que aqui fica claro é que o músico acha que pode desancar no jornalista em público. Acha que pode achicalhar os seus conhecimentos. Acha que não tem de ter consideração pela pessoa que ali está à sua frente. Da mesma maneira que hoje em dia muitos pais acham que, só por serem pais, se podem intrometer nos métodos de ensino e questionar a autoridade do professor. É isto que muda. Uma pessoa não se rebela contra a médica do centro de saúde que devia chegar às 09.00 e chega às 11. Não se chateia com os juízes. Não se chateia com engenheiros. Ou com economistas e gestores (e olhem a que belo sítio nos levaram). Não. Chateia-se com professores, com jornalistas, com advogados, até com arquitectos... Tudo profissões em que as pessoas passam muito tempo a reflectir sobre elas próprias, sobre o seu papel e como melhorar. Parece que quanto mais debatemos o que fazemos menos noção temos do que devemos ser ou fazer.

1 comentário

Comentar post

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D