Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quem sai aos seus

Para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

Três semanas de férias, uma viagem de um ano

É possível que estas tenham sido as férias mais bem aproveitadas de sempre. Três semanas de descanso onde cabem idas ao Alentejo e ao Algarve enquanto passeio durante um ano pelos EUA, suspensa do que conta Isabel Lucas em Viagem ao Sonho Americano. Ler um livro bom é uma sensação que não preciso de descrever e só por isso já teria valido a pena. Acontece que estas páginas são muito mais do que isso. Primeiro é um desses livros que nos faz querer ler outros livros (é o melhor elogio que lhe posso fazer), depois é um retrato da América no momento em que mais preciso dele. Basta dizer que coincide com o momento em que os supremacistas brancos aparecem, basta dizer que é um conjunto de reportagens escritas durante a campanha eleitoral, a vitória e a tomada de posse do inominável, percorrendo 97 mil quilómetros de EUA, publicadas inicialmente no Público. A ideia (se bem percebi) é esta: como a literatura é moldada pela paisagem, a partir de 16 romances. Ao mesmo tempo, como é que o país de Obama é o país de Trump? Para quem anda à procura de um sentido para tudo isto (eu ando), aqui encontra algumas (boas) pistas. 

Em novembro de 2017 acompanhei a orquestra Gulbenkian numa digressão por São Paulo e Rio de Janeiro e conheci André, violetista, da Carolina do Norte. Antes de um concerto, precisamente 8 de novembro, dia das eleições, ele e o maestro, também norte-americano, trocavam impressões sobre o andamento dos resultados eleitorais. Interessou-me aquele 'quadro', porque André é negro e o diretor artístico, Lawrence Foster, é judeu. Nenhum dos dois queria que o inominável ganhasse, ambos tinham medo, mas, por essa altura, esse ainda era um cenário que parecia de ficção científica. Sobretudo para mim. Porque André repetia: "Não confio nas sondagens". Ficámos a conversar e ele disse esta frase: "Com este gajo temos o Ku Klux Klan a aparecer em público com as bandeiras do Sul a intimidar as pessoas".

André, 60 anos e memória q.b., tinha 14 anos quando frequentou pela primeira vez uma escola com brancos. Façamos as contas rapidamente: foi em 1970. Como me explicou, apesar da ordem federal que abolia a segregação nas escolas ser de 1954, só em 1970 foi aplicada na Carolina do Norte, uma informação que pode ser contrastada no google a qualquer hora (foi o que fiz nessa noite quando cheguei ao hotel). Foi ontem que negros e brancos puderam começar a usar as mesmas casas de banho, como se vê no filme As Serviçais (2011). Foi na década de 60 que Rosa Parks se recusou a ir para o fim do autocarro e que Martin Luther King fez O discurso.

O que André dizia parecia impossível, mas com a vitória de Trump tornou-se evidência. Com Steve Bannon na Casa Branca, com Charlottesville, com as reações de Trump e, sobretudo, depois de ver o documentário da Vice News e do que mais tarde relatou a jornalista, Elle Reeve, a Anderson Cooper. As palavras do músico não são hipérbole. E outros partilhavam já desta ideia de que "com este gajo temos o Ku Klux Klan a aparecer em público a intimidar as pessoas" quando, ao longo de 2016, Isabel Lucas calcorreou os EUA. Transcrevo o que lhe disse Robert Moore, diretor do El Paso Times, jornal da cidade na fronteira com o México: "Donald Trump levou a discussão a um nível completamente radical, e de alguma forma dá permissão a outros para usar o mesmo filme que ele está a usar. Isso é talvez a coisa mais nefasta que está a acontecer nestas eleições. Uma espécie de grande árvore maléfica à qual foi permitido chegar à superfície. Agora é aceitável falar de pessoas de uma forma que seria impensável há poucos anos" (página 217). Ao aceitar o apoio destes elementos, Trump dá-lhes a bênção da mesma maneira que legislar o casamento entre pessoas do mesmo sexo é um cartão vermelho à homofobia.

Terminei o livro na noite de sábado com uma certeza: é incrível o grau de ignorância em relação aos EUA. Aconteceu-me alguma frustração ao longo das páginas por não ter lido nada de alguns escritores que dão informação tão importante sobre o mundo. Fico sempre a pensar: mas que raio faço eu com o meu tempo? E essa ignorância que não tem nada de mal, em teoria. Há imensas, imensas coisas sobre as quais o meu desconhecimento é vasto  e profundo, mas este país é outra coisa. Quero saber mais sobre os americanos. Próxima leitura: "A América e os Americanos", de John Steinbeck.

Obrigada, Maria João, por este duradouro presente.

 

 

Atrás das teclas

foto do autor

Instagram

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D