Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quem sai aos seus

Para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

Marcelo bem, Marcelo mal, Marcelo assim-assim

ng6168206.JPG
(Foto: Paulo Spranger/Global Imagens)


Bem:

O discurso. Limpo e claro, dos 7 aos 77 anos. Tocou todas as teclas que era preciso. Gostei, sobretudo, da maneira como disse. Não leu, interpretou.

Chegar a pé. Porque veio da casa dos pais, e achei uma bonita maneira de prestar homenagem a quem já cá não está. Da biografia (escrita por Vítor Matos) ficou-me a ideia que assim cumpre um sonho dos pais. Porque quebra as regras e faz falta um pouco de sal e pimenta ao protocolo mais rígido.

Vidro aberto. A máxima proximidade possível.

Subir a rampa do Palácio de Belém sozinho. Ele é o presidente de todos os portugueses e sobe sozinho como pai de todos. Sem privilégios para a família, que fica do lado de fora, como todo o povo. Nesta época em que nos fartamos de ver pessoas a serem favorecidas por serem filhos de... e do grupo de... achei refrescante.

A celebração inter-religiosa. Não prestei grande atenção mas o significado político agrada-me. Unir pessoas de crenças distintas.

O concerto. Mais uma vez, tentando a inclusão. Foi mal explicado, podia ter sido um grande momento de celebração da cultura popular e tive pena por isso. Não era para a juventude, era para todos.

A frugalidade dos festejos. Pouca pompa mas muito requinte. Ver nesse departamento o menu do almoço cheio de ingredientes simples que deram pratos muito requintados.

Mal:

Que a primeira viagem oficial seja ao Vaticano. Espanha percebe-se, é até uma retribuição engraçada: Portugal foi o primeiro país que Felipe VI visitou depois da entronização.

Aquela maneira de tirar o sobretudo. À rei. Dispo-me aqui e alguém que apanhe o casaco.

A mensagem no site da presidência. Fraquita.

Assim-assim:

Os filhos terem ficado do lado de fora do palácio de Belém. Por um lado, bom haver esta separação de águas, por outro reservo-me o direito de achar que tanto distanciamento era desnecessário. Ainda assim, adorei aquela tranquilidade do irmão, do lado de fora dos Jerónimos a dizer adeus enquanto a mulher tirava fotos com o iPhone. Se for tudo show off, vou ficar muito desiludida.

 

Atrás das teclas

foto do autor

Instagram

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D