Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quem sai aos seus

Para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

Fui a Madrid comer... Quer dizer, correr

image1.JPG

image3.JPG

image5.JPG



Depois do que aconteceu à Jessica Augusto em Londres na maratona, sinto que não tenho moral para me queixar da Meia Maratona de Madrid. É sempre a subir? É! Os últimos quilómetros são a pique? São! Enquanto lá estive prometi que nunca mais ia a uma prova? Sim! E passa-me pela cabeça ir a Valência? Claro! É basicamente isto: uma pessoa sofre, sofre a sério, mas depois quer sempre mais.
Portanto, a coisa foi mais ou menos assim: deixarmos o marido da Inês nos 10 km e irmos às duas para o nosso sítio esperar. Eram 09.00 da matina de um domingo. (Gostava de ver a cara do meu eu de 20 anos quando o meu de quase-40 dissesse que ia deixar de me deitar às 09.00 e passar a correr às 09.00.) Partir com frio, demorar a aquecer, aqueles cinco quilómetros demoníacos... Encontrar o equilíbrio na respiração e começar a ter dores nos pés (já é um clássico). Isto tudo sempre a subir um bocadinho. Como já passaram as dores nos joelhos e nas pernas e na planta do pé, só ficou a sensação de superação e essas 2:28 de tempo (por acaso o mesmo tempo que a Jessica Augusto fez, com problemas e tudo e no DOBRO da distância). Comemos a primeira goma aos sete km, a segunda aos 10 e depois disso foi uma quase em todos os km. Foi uma das nossas ajudas. A outra foi a mais maravilhosa de todas: ter o Antonio, a João, a Ana e o Filipe a torcerem por nós nos 15 km e depois aos 20. Que sortudas que somos. E quando já tinha o coração confortado, ouço uma adolescente a gritar Mami e lá vem a mãe já toda escafiada do cansaço dar um beijinho à filha. Muito fofa.
Quase na meta vimos o Inem de Espanha, o Samur, a socorrer um homem e nessa noite a reportagem da TVE contava que a terceira classificada da maratona cortou a meta e desmaiou. Glups...
Mas, bom, isto foram duas horas deste fim‑de‑semana. O resto foi um enfardanço de proporções épicas. Tapitas no sábado, massa al vongole à noite. Croquetes, salmorejo e arroz negro no dia da corrida e um grande hambúrguer ao jantar (e mais vinho rosé do que gostaria de admitir). Ainda estou a recuperar...

1 comentário

Comentar post

Atrás das teclas

foto do autor

Instagram

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D