Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quem sai aos seus

Para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

Alguém devia avisá-los: é inútil lutar

Estou dentro de um táxi a caminho de um serviço. Um inferno. A cidade está parada. O condutor não fala mas não é antipático, o rádio toca, cheira mal aqui dentro mas está razoavelmente limpo.
Só andei de uber em Madrid mas considero adotar o serviço. Todos me dizem que é mais barato.
Como pessoa que anda de táxis gostava que prestassem melhor serviço. Compreendo que se chateiem com a uber e acho a plataforma deve ser mais transparente. Mas é inútil lutar com moinhos de vento. Só temos de nos adaptar.

Morrer

Todos temos de morrer. Ok. Parece que este ano estão a morrer mais pessoas do que nunca. É verdade e, até há quem tenha uma explicação, mas, bom, parece que já nem morrer sabemos. Prince foi encontrado sem vida num elevador. Nicolau Breyner, em casa, sozinho. Uma antiga colega de trabalho morre e não temos logo ali o telefone de alguém próximo a quem perguntar: o que se passou? Podemos ajudar?

Morrer tornou-se apenas mais uma coisa que nos acontece e a que já não precisamos de dar grande importância. A morte de Prince, sem ir mais longe, serviu para o Bruce Springsteen fazer um vídeo viral e uma banda sair das profundezas do olvido, de onde não deveria ter saído, para ganhar uns trocos à conta de um morto genial.

"Quando morremos somos um link para uma notícia no site, que alguém partilhará, ou não, e no dia seguinte o mundo continua...", diz a minha amiga Patrícia. Às vezes, nunca parou mesmo de girar.

Fui a Madrid comer... Quer dizer, correr

image1.JPG

image3.JPG

image5.JPG



Depois do que aconteceu à Jessica Augusto em Londres na maratona, sinto que não tenho moral para me queixar da Meia Maratona de Madrid. É sempre a subir? É! Os últimos quilómetros são a pique? São! Enquanto lá estive prometi que nunca mais ia a uma prova? Sim! E passa-me pela cabeça ir a Valência? Claro! É basicamente isto: uma pessoa sofre, sofre a sério, mas depois quer sempre mais.
Portanto, a coisa foi mais ou menos assim: deixarmos o marido da Inês nos 10 km e irmos às duas para o nosso sítio esperar. Eram 09.00 da matina de um domingo. (Gostava de ver a cara do meu eu de 20 anos quando o meu de quase-40 dissesse que ia deixar de me deitar às 09.00 e passar a correr às 09.00.) Partir com frio, demorar a aquecer, aqueles cinco quilómetros demoníacos... Encontrar o equilíbrio na respiração e começar a ter dores nos pés (já é um clássico). Isto tudo sempre a subir um bocadinho. Como já passaram as dores nos joelhos e nas pernas e na planta do pé, só ficou a sensação de superação e essas 2:28 de tempo (por acaso o mesmo tempo que a Jessica Augusto fez, com problemas e tudo e no DOBRO da distância). Comemos a primeira goma aos sete km, a segunda aos 10 e depois disso foi uma quase em todos os km. Foi uma das nossas ajudas. A outra foi a mais maravilhosa de todas: ter o Antonio, a João, a Ana e o Filipe a torcerem por nós nos 15 km e depois aos 20. Que sortudas que somos. E quando já tinha o coração confortado, ouço uma adolescente a gritar Mami e lá vem a mãe já toda escafiada do cansaço dar um beijinho à filha. Muito fofa.
Quase na meta vimos o Inem de Espanha, o Samur, a socorrer um homem e nessa noite a reportagem da TVE contava que a terceira classificada da maratona cortou a meta e desmaiou. Glups...
Mas, bom, isto foram duas horas deste fim‑de‑semana. O resto foi um enfardanço de proporções épicas. Tapitas no sábado, massa al vongole à noite. Croquetes, salmorejo e arroz negro no dia da corrida e um grande hambúrguer ao jantar (e mais vinho rosé do que gostaria de admitir). Ainda estou a recuperar...

Planos para os próximos meses

Truman Capote e Harper Lee_ficção.jpeg

 Truman Capote e Harper Lee fotografados em 1966 por Steve Schapiro (Corbis)

 

 

1 - "Mataram a Cotovia", Harper Lee.*

2 - "A Sangue Frio", Truman Capote.

É preciso consegui-lo antes de chegar aos 40 anos.
E são estes porque Nelle e Truman amigos de infância e quero descobrir ligações entre eles. Mesmo que sejam imaginárias.

*É o que ando a ler com esforço e abnegação (e a voz de Irene Cruz fazendo de Tom Sawyer), procurando não me distrair com a televisão, o netflix, o facebook e uma mosca que voa.

A mãe chamava-lhes "aqueles jogos divertidos de palavras"

                                         A Madalena,

                                                 Criança mais fofa,

                                         Responsável

                           e Ótima,

                                enSinou-me

                                   esTa semana

        que estes jogos dIvertidos

                              se Chamam

            acrósticOs

 

Dar um saltinho até Paris para ver Amadeo de Souza-Cardoso

Uma pessoa só pode não gostar de Paris quando está longe. E nem vamos falar na sorte que é ser enviada em trabalho a um sítio assim e pela razão que foi...

IMG_4317.JPG

 

IMG_4320.JPG

Vi a Torre Eiffel pela primeira vez em 1990 e continuo a achar que é das coisas mais bonitas do mundo. Só nos lembramos de como é grande quando estamos ao seu lado.  

image1.JPG

Ontem de manhã, depois do trabalho feito, dei uma corrida até lá. Estou a fazer disto um mantra: levar sempre os ténis e tentar correr. Quando for velhinha, vou poder dizer com propriedade que já corri, pelo menos, em Londres, Madrid, Paris e Viseu... :)

IMG_4296.JPG

Esta é a verdadeira razão desta viagem: a exposição de cortar a respiração de Amadeo de Souza-Cardoso no Grand Palais. Entre os Campos Elisios e o Sena. Depois do Picasso. Podem ler tudo o que escrevi sobre o assunto no DN.

Os ingleses e americanos usam a palavra show para se referirem a exposições, o que neste caso é perfeitamente adequado. É esmagador o talento deste homem, mais ainda imaginando boa parte de tudo isto foi conseguido sozinho. Um espetáculo, mesmo.

IMG_4295.JPG

Estes são os pochoirs, moldes que usa para as suas obras finais, já com referências pop.
Estas:
 

IMG_4294.JPG

Da época "mais fulgurante", segundo a comissária da exposição, Helena de Freitas.
 
 E o mega-orgulho de ser portuguesa e ver o nome do nosso maior pintor deste tamanhão na entrada do Grand Palais.
 

IMG_4262.JPG

 

O maravilhoso Grand Palais.

IMG_4352.JPG

No domingo chegámos demasiado tarde a tudo mas ainda passámos pela Place de La Republique, onde um grupo de jovens se reúne todas as noites. Querem mudar muita coisa na sociedade, começando nos apoios aos jovens.

IMG_4256.JPG

 

IMG_4258.JPG

Tentámos ver o Paul Klee no Pompidou mas ficámos por esta árvore. A árvore que dá livros.

IMG_4250.JPG

 Andámos muito! Com um tempo ótimo, primavera a sério, e cruzámo-nos com imensa pessoas que eram a cabal definição de estilo (o que mais adoro numa cidade).

IMG_4240.JPG

 

IMG_4245.JPG

Tinha a certeza que a Rue Cambon era um sítio importante, e por isso tirei a foto, mas foi só em Lisboa que confirmei a minha primeira suposição: era aqui, no número 31, o atelier da Mademoiselle Chanel.

Ontem, finalmente, conseguimos dar um salto à exposição da Helena Almeida, no Jeu de Paume. Outra beleza.

 

IMG_4344.JPG

 E, como em tudo na vida, a companhia fez a diferença.

IMG_4353.JPG

A bientôt, Paris!

Pág. 1/3

Atrás das teclas

foto do autor

Instagram

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D