Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quem sai aos seus

Para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

"Aquela a que chamamos rosa, o mesmo doce odor teria se outro nome tivesse"

Logo depois de ter escrito este post -- Diz-me como te chamas, dir-te-ei quem és -- tive vontade de fazer uma correção. O título devia ser "Diz-me como te chamas, dir-te-ei quem são os teus pais". Nunca mais me dei ao trabalho de o fazer até que ontem à noite, a Vanita me fez recordar que estava na hora, partilhando com o mundo este texto: O fabuloso destino de Cátia Vanessa. Que é realmente fabuloso.

Os nomes que temos são resultado direto das escolhas dos nossos pais, e é por isso que muitos pais passam 9 meses a pensar no nome que dão os filhos. Ultrapassa-me. Ou melhor, sei perfeitamente porque o fazem. Porque acreditam que um nome pode determinar o futuro de uma criança. Como bem se diz no texto, é precisamente por isso que os menos abonados tentar dar aos filhos os nomes das elites que, entretanto, horrorizadas, começam logo a mudar os nomes que dão aos filhos para não haver confusões. Por acaso, agora que falamos nisso, vejo um crescimento bastante sustentado de Salomés, Rosas, Joaquins e Jaimes.

No fundo, (engulam!) sou da linha Shakespeare. “Aquela a que chamamos rosa, o mesmo doce odor teria se outro nome tivesse” (“That which we call a rose by any other name would smell as sweet”). E da mesma maneira que não acredito que um nome diga tudo sobre uma pessoa, porque SEI QUE UM NOME NÃO DIZ TUDO, e o contexto tem uma palavra ou duas a dizer, procurei perder o mínimo de tempo com esse assunto. É igual a quem perde muito tempo mas ao contrário.

Quando soubemos que a Madalena ia nascer, uma tarde de férias em junho, em casa, depois de virmos do médico, reduzimos a escolha a três nomes: Madalena, Teresa e Carlota. Íamos para casa dos meus pais contar a boa nova e em meia hora tirámos Carlota da lista. Era demasiado pomposo. Quando lá chegámos já sabíamos que ia ser Madalena. E da Teresa, por maioria de razão, o nome já estava escolhido. Para rapaz, igualmente: seria António Maria, se o António Maria tivesse aparecido. A escolha para a Francisca durou um bocadinho mais. Quase uma hora, calculo. Eu lancei Luísa, Ana, Sofia e Francisca para a mesa. O pai falou em Leonor, e outros que não recordo. Fixei o Leonor.

Sou pouco esquisita com nomes, desde que ache qe têm a ver com a minha pessoa (não me passaria pela pinha chamar Fátima, Érica ou Clementina a uma filha), e, para ser completamente sincera, chamar às crianças Madalena, Teresa ou Francisca é quase o mesmo que lhe chamar Mafalda, Beatriz ou Rita. Leonor é que não. Definitivamente, é um nome de que não gosto. É uma injustiça, todas as bebés Leonor que conheço são amorosas, a Quica adora a sua amiga Nor, a Teresa é fã ao máximo da sua colega Nonô e até é o nome da infanta de Espanha (uma família tão querida), mas a sonoridade não me convence. Cada maluco com a sua mania...

Em todo o caso, passados quase 39 anos de vida, e apesar de não gostar do meu nome, sou forçada a rconhecer que a sua invulgaridade me trouxe mais coisas boas do que más. Já me aconteceram coisas engraçadas. Uma menina do call center da PT dizer-me "tenho uma tia com o seu nome" ou dizerem-me "nem preciso de comprovativo da transferência bancária". Basta ouvirem-no uma vez e já ninguém se esquece da mesma maneira que nunca me esqueço do nome, único, do filho da minha dentista. 

Do not disturb. Vem aí o fim de semana

Uma coisa que a pessoa aprende com o tempo é que mesmo a trabalhar o fim de semana pode ser (bem) aproveitado: o bom tempo, estarmos juntos, almoçarmos juntos, dormir até mais tarde. Tipo, 08.30 em vez de 07.45 (imaginar smile aqui), correr. Chegar a domingo à noite, com mudança de hora, e querer começar tudo de novo.

391975748_afb64d5b0e_z.jpg

Guardei para estes dias:

A história do mundo mudou em 1995?

Já temos menos dentes e diz que estamos a evoluir mais depressa do que se pensava.

Gozar com os logotipos de marcas conhecidas.

Procurar Diego Velázquez em Sevilha.

Snacks doces sem açúcar e festas de anos para adultos.

Haver modelos "plus size" não é tão bom como pode parecer.

Melhor frase de sempre sobre os jumpsuits tão na moda este ano.  :)

 

Acabei de arrumar os armários das crianças

Estou pronta para ir ao mercadito da Carlota... e ficar a olhar.
É muito frustrante isto mas só precisam de sapatos (e não são todas), acessórios e meias. Não podendo atirar-me às roupas (para elas), este verão vou concentrar-me na bela da peúga e nos cremes.
Este e este. Deve fazer um mal à pele atópica que nem sei mas o cheirinho... valha-me Deus. É como ter um recém-nascido em casa outra vez.

PS: Entretanto, o outlet da knot está aberto até sábado.

 

Madalena relata um dia de férias (mesmo escrito por ela)

eu fui à escola brincar com o João e com a Marta e                                                                                                a seguir no final do  dia eu  fui  brincar  com a Marta

 

 

PS: Mãe a rebentar de orgulho, apesar da inexistência de pontuação.

Pode ser um excesso de otimismo da minha parte

Mas acho que realmente o mundo está melhor. Há uns anos bastava ter conhecimentos e a pessoa ia trabalhar para a câmara municipal ou para uma empresa pública qualquer. Hoje, vê-se à nossa volta, empresas saudáveis contratam pessoas que trabalham e não estão preocupadas se as pessoas conhecem a ou b desde que arregacem as mangas e ponham mãos à obra. Se calhar estou a ser demasiado otimista mas acho mesmo que há mais gente a valorizar o mérito. E gosto disso. Não é sequer uma coisa política, acho que é consequência do garrote económico. Estamos menos tolerantes aos abusos. Ao emprego só porque sim. E essa moral profissional, podia apostar, é o que nos vai tirar do lodo. É como o Ricardo Salgado ser arguido ou o Sócrates estar preso. A gente fica em estado de choque mas, bem vistas as coisas, foi possível desmascarar estas pessoas sem ser necessário cortar cabeças. Ou como a Europa. Estamos a pôr o modelo europeu em causa, mais do que nunca, mas, também, mais do que nunca, falamos de nós como europeus. Apesar dos pesares, ainda se vive melhor em Portugal e na Europa do que no resto do mundo.

A minha meta é... ser um exemplo para as minhas filhas

Cheguei a casa hoje e a Teresa fez o corredor a correr aos saltinhos, o mais depressa que conseguia e a dizer: "Mãe, olha como corro depressa!". E repetia. Há uns dias, ao pequeno-almoço, a Quica, sem me ver, perguntou, com a sua vozinha de bebé: "A mãe foi correr?". Quase todas as semanas, a Madalena me diz que um dia vai comigo correr.

Pág. 1/4

Atrás das teclas

foto do autor

Instagram

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D