Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quem sai aos seus

Para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

E a maior praga da educação é...

A palavra estimular.

A criatividade, a curiosidade, a atenção, o raciocínio, a lógica...

Vai ser triste sermos pais destes futuros adultos absolutamente normais, com vidas duras, felizes e infelizes, sujeitos aos mesmos desafios de sempre mas tão estimulados para serem perfeitos.

 

Cenas de um batizado: começou a saga dos vestidos

Deus nosso Senhor sabia muito bem o que estava a fazer quando me fez rodas baixas e assim para o anafado. Não fora isso e eu andaria sempre nua e passaria os dias a comprar roupa e acessórios. Sou uma fácil. Segunda-feira, quando fui entregar o convite à minha amiga Lena começámos a investigar lojas do Príncipe Real. Numa delas, a b design, encontrei este vestido. Branco e de pregas. Ideal para uma sardinhada. Tudo o que em teoria não deveria usar, mas que não resisti a experimentar. E não é que o raio de vestido é bué confortável e ficava bem? O que me consola é que ele é demasiado informal e, na qualidade de mãe das noivas, pretendo ir mais enfeitada do que a Paula Bobone nos Globos de Ouro (mas em bom, naturalmente) e aquele modelo não está à altura. #abuscacontinua é a minha nova tag fétiche.

 

 

MÁLIUCOS estes portugueses

Só as pessoas que se arrepiam todas quando um giz passa pelo quadro de ardósia conseguem compreender o que sinto quando ouço muitos repórtes de televisões nacionais a fazerem diretos com adeptos espanhóis. Valha-me Deus...

Cenas de um batizado: as roupas (e a Madalena)

A Madalena esteve a ver o desenho do vestido e disse:

- Gosto, mas este laço... Não é muito o meu estilo.

 

[Um dia vocês vão perguntar à mãe porque é que escolhi este vestido e então posso contar-vos que escolhi porque conheço a Maria João Correia, a designer que faz a Little Wings. Que adorei o trabalho dele desde o primeiro minuto. Desde que a minha prima, madrinha madrinha da Teté, que me falou dela. "São o teu género". E eram. E então eu passei a ir sempre espreitar as novidades ao Lisbon Kids Market. Por mail e mensagem combinámos que ela ia fazer as vossas roupas batizado. Nos anos do vosso primo Rafael, quando ela estava imersa em trabalho, combinámos o tecido -- azul às risquinhas -- e o modelo. Esta semana chegou o croqui. Pelo meio, a Maria João abriu uma loja e tudo. E só posso agradecer que tenha tido tempo para nos fazer uma coisa especial. Às vezes fico parva com a quantidade de pessoas fixes que conheço.]

 

Enquanto a extrema direita cresce

Dá-me ideia que fora do mundo do jornalismo ninguém se preocupou grandemente com o artigo de ontem do "Observador" sobre a história de amor entre Mário Machado e a mulher, Susana. Um skinhead e uma menina de Cascais. Já entre jornalistas foi o fim do mundo em versão Prós e Contras.  Passámos o dia nisso, não dando a devida atenção ao videoclip "Hora de Matar", o novo single dos Mão Morta, uma canção que, traços gerais, canta que perante o que os políticos fazem aos cidadãos se torna legítimo matar. É legítima defesa, diz um dos versos.

Eu também acho que está na hora de matar. Está na hora de matar a voz do Adolfo Luxúria Caníbal de tão má que é. Infelizmente não vou ter sorte nenhuma, restando-me simplesmente não carregar no play.

Detesto este discurso politicamente correto, a fazer de conta que defende os interesses dos mais fracos quando, na verdade, é apenas incitar as pessoas a tirarem de si a irracionalidade. Como protesto, que pobreza.

No caso do texto do "Observador", coisa muito diferente se passa. Li por aí que branqueava o papel de Mário Machado como líder de movimentos racistas e xenófobos e os crimes que cometeu.

Devo dizer que gostei imenso do texto e que não me senti minimamente tentada a concordar com Mário Machado. Sempre achei que as suas ideias eram erradas e o seu comportamento racista altamente reprovável. Fiquei contente quando a justiça o prendeu pelos crimes que cometeu. Crimes que atentavam contra a paz com que me apetece vivier no mundo. Detesto violência. E quando acabei de ler o texto continuei a achar a mesma coisa sobre ele. A história de amor? Achei surpreendente e, por cinco nanosegundos, até me passou pela cabeça isto: "as mulheres fazem cada coisa para não ficarem sozinhas". Foi um flash, ok? A mulher tem o direito a gostar dele e achar que é educado e romântico. A bem dizer, e é aqui que vou: ele próprio, cumprida a sentença pela qual foi condenado, tem o direito a reiniciar uma vida e a ter opiniões. Por mais que me pareça inacreditável que alguém pense que seria melhor viver num mundo em que dois homens e duas mulheres não possam casar, não posso fazer nada. As pessoas pensam como pensam e desde que não prejudiquem os outros, temos de os aceitar. Desde que não prejudique os outros. Isto é muito importante dizer (reforçar).

As coisas que ele pensa repugnam-me de tal forma que a minha primeira reação é dizer "devia ser proibido poder manifestar-se, associar-se, qualquer coisa". Mas essa é, precisamente, a armadilha destas convicções: proibi-los é jogar com os mesmos trunfos que eles e o pensamento, por mais proibido que seja, é sempre livre.

 

Os Mários Machados desta vida com o "Mein Kampf" na mesa de cabeceira é que acham que é bom um mundo conforme às suas convicções racistas e machistas. Deixá-los, pois, pensar como queiram. E se querem formar partidos, força. Logo que respeitem a Constituição e os princípios de não discriminação. Se forem capazes, acho bem. Criem os partidos que quiserem. E se forem da paz, tudo bem. A questão, porém, é que não me parece que sejam capazes de respeitar isto tudo ao mesmo tempo. Esta era a minha opinião antes de saber que Mário Machado tinha uma história de amor para contar. O texto apenas a vincou mais.

Pág. 1/5

Atrás das teclas

foto do autor

Instagram

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D