Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quem sai aos seus

Para a Madalena, para a Teresa e para a Francisca.

O hino

 

 

Os Deolinda fizeram quatro concertos nos coliseus. Apresentaram uma música nova - 'Parva que Sou' - que está a entupir os blogues e o Facebook de comentários e links. Fala disto de ser uma geração sem trabalho fixo. Sem rede. Que vive pior. Estou de acordo com tudo. É verdade, vivemos pior. Os pais continuam a ter de nos oferecer bons presentes de aniversário. Ajudam com as compras no supermercado. Oferecem roupa. Nós viajamos mais e somos mais cultos e nada. Não temos melhores ordenados nem mais tempo nem mais satisfação. Nem todos, claro. Mas uma parte. Alguns que até nem trabalham a recibos verdes. Achava que isto era tudo conversa de coitadinhos quando me pus a pensar em mim e no meu grupo de amigos mais próximo. Onde está a nossa independência? A nossa independência real? Perversamente, os Deolinda passaram a viver da música, coisa que não faziam há dois anos quando a Ana Bacalhau era arquivista. Acho que o António Guerreiro (Ao Pé da Letra, suplemento 'Atual', 'Expresso') é que tem razão: O progresso não existe. Faz parte dessas metanarrativas que nos inventaram. E agora vamos ter aprender a viver com essa descoberta.

É isto

Não temos tempo para ir ao cinema, ao teatro, jantar sozinhos, fazer uma noitada, ir a "sítios da moda" como o Viking porque temos duas filhas. Quando vamos é tão excepcional que exijo que tudo o que me faz sair de casa seja perfeito ou, pelo menos, óptimo. O trabalho também. Caso contrário, porquê (para quê) fazê-lo?

Isto da liderança tem muito que se lhe diga

Está na moda falar de liderança. O que é um bom líder? É o Mourinho? É verdade que ele tem o que eu acho que um líder tem de ter: sabe o que quer e defende a sua equipa em qualquer situação, mas, se ele não apresentasse resultados, estávamos aqui a dizer que ele era o maior? Um dia vai perder e nesse dia vai deixar de ser líder? Tenho andado a fazer essa pergunta. Concluí que não. Não será líder quando começar a perder. Concluo, aliás, que saber o que quer e defender a sua equipa é o que o faz ganhar.

 

O exercício da liderança pode ser feito de várias maneiras. Há o género bruto, há o género amigo, o género paternalista. Não tenho nada contra nenhum deles por si só. Logo que as coisas funcionem. E para funcionarem acho que só existe uma maneira: saber o que se quer. Válido para tudo, aliás.

Antes 'Super Leitores' do que 'Super Drogados'

A Madalena adora os 'Super Leitores', uns desenhos animados que passam no Panda.

Ora, eu desconhecia por completo a existência de ditos bonecos até ela os ter assinalado numa revista do dito Panda, o que vem mesmo a propósito para sublinhar que, por mais que queira, não posso controlar tudo o que ela vê e aprende. E, posto isto, o que é que posso dizer? Olhem, antes 'Super Leitores' do que 'Super Drogados'.

 

PS: E não se devia escrever 'Super-Leitores'?

As presidenciais, o 'Público e a fé no futuro

Em dias como hoje o meu optimismo não é um optimismo. É como a objectividade jornalística ou a verdade histórica. É uma ferramenta que uso para não me chatear a sério. Faço de conta que acredito quando o que acho é que este país realmente não tem salvação e temo pelo futuro das miúdas que pus no mundo (também costumo soltar a drama queen que há em mim).

O 'Público' de ontem fechou a cobertura das eleições presidenciais colocando as mesmas duas perguntas a 50 pessoas (personalidades, chamam-lhes):

1. O que ficou desta campanha?

2. A campanha fê-lo mudar o sentido do voto?

A maioria respondeu coisas como "não ficou", "foi fraca", "muito soundbyte" e outras considerações deste género que me puseram a pensar muito a sério no que escreveu o comunista Vítor Dias no seu blogue Tempo das Cerejas - o meu favorito do momento, o meu guia durante todas as eleições (estou até para escrever um mail ao senhor). A primeira reacção, antes de ler o texto,  foi pensar "lá está este, apoiante de Francisco Lopes, que vai cair nas votações, a dizer mal de tudo, a exagerar nas observações e a ofender as pessoas dizendo que são como os taxistas, parece que só ele é que sabe". Depois de ler o texto passei a concordar inteiramente.

 

A sério, é fascinante. Estas 50 pessoas -- professores universitários, músicos, fazedores de opinião de vária índole -- estão em melhor posição do que a maioria de portugueses, em melhor posição até do que os jornalistas para opinar e interpretar, que supostamente estão mais informadas (como bem diz Vítor Dias) queixam-se de falta de ideias, dos soundbytes, percebemos que tudo isto é muito mais grave do que se podia pensar. Não é porque ache eles têm razão. É porque são eles que realmente mandam. São estas pessoas que estão naquelas cargos superiores, porém sem visibilidade e/ou escrutínio, que estão a dispor as pedras do tabuleiro, ainda que não precisem exactamente de um cartão de um partido. E não sabem nada. E é por isso que dizem que não lhes ficou nada. O que também não os impediu de falar... E falar bem em muitos casos.  O que também é sintomático. Neste país existem quase 50 maneiras de falar sobre 'nada'.

 

No meio disto, o que não tenho claro é o papel do 'Público':

- deixaram passar esta pobreza intelectual para a pôr em evidência?

- ligaram apenas às pessoas com quem lhes é fácil facil, perpetuando assim o status quo e legitimando-o?

 

Estou na dúvida...

Chamem-me Xerox

Tropecei na foto de um colega de trabalho com a filha, igual a ele, no Facebook. Legenda: "A minha mãe é uma óptima fotocopiadora". Tive uma epifania. Não sou uma mãe, sou uma Xerox. Estou tão solidária com esta rapariga...

Pág. 1/4

Atrás das teclas

foto do autor

Instagram

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D